Intercâmbio: Visto Americano


Pra quem não sabe, eu embarco para a Flórida em janeiro, para fazer um curso de intercâmbio. E eu tenho recebido algumas questões de leitores sobre como foi minha entrevista no Consulado, e tudo mais. Então, resolvi fazer um post passo-a-passo sobre como adquirir seu Visto Americano, e contando um pouquinho da minha experiência.

Antes de mais nada, procure adquirir seu visto. Eu fechei com a Agência de Intercâmbio primeiro, e só depois fui fazer a entrevista. Isso acabou me rendendo alguma preocupação, porque, caso meu visto fosse negado, eu teria de remarcar tooooooda a minha viagem. Mas graças a Deus, a agência de intercâmbio que eu escolhi, a IE, me orientou em tudo o que eles podiam, em todo o processo. Acabei ficando preocupada até demais com a possibilidade de ter o visto negado e a viagem remarcada (quem não fica?). Ainda bem que a minha consultora teve muuuuuuuuuita paciência comigo, e me auxiliou muito, me orientando desde sobre como me portar em frente do cônsul até como me manter tranquila. Obrigada, Sophia!

O primeiro passo para adquirir o visto americano é preencher o formulário DS-160, que fica disponível o tempo todo no site do Consulado. Acredite em mim: Vai levar umas 2 horas para você conseguir preencher esse questionário todo! Você precisa ter o máximo de atenção possível, pois um erro seu pode resultar em ter seu visto negado. 
Tem gente que prefere contratar um despachante para preencher esse formulário. No meu caso, preenchi sozinha, com a cara, a coragem, e os sites de dicas como o Visto Rápido. Apesar de precisar de muita atenção, são informações básicas. Parte mais tranquila de todas as etapas!
PS: Vão ter algumas perguntas lá, como "você já participou de um genocídio?" ou até "você é prostituta? se sim, há quantos anos?". Não faça gracinhas! (por mais que dê vontade) Responda com sinceridade, pois isso pode custar seu visto.

O segundo passo é pagar a taxa e preparar a documentação. Você pode escolher entre o boleto e o cartão de crédito, fácil e rápido. Depois que você pagar, não esqueça de agendar sua entrevista através do mesmo site.
PS: SIM, você vai agendar duas datas. Uma é para comparecer ao CASV (Centro de Atendimento ao Solicitante do Visto) e outra no Consulado. 
Aconselho também a começar a preparar toda a documentação que você vai levar para a Entrevista. Reservas de hotéis e passagens, declaração de imposto de renda, extrato bancário, declaração da escola ou do trabalho, e tudo mais o que você puder. O Consulado procura coisas que te vinculem ao seu país, tais como faculdade, trabalho, etc, pois, para eles, você pode embarcar e nunca mais voltar (O que já aconteceu tantas vezes, né!).
Lembre-se: É melhor levar documentos demais e ter o visto concedido, do que esquecer algum e ter o visto negado!

O terceiro passo é comparecer ao CASV que você selecionou. CALMA! Lá é super tranquilo. Se você é de São Paulo, e optou por fazer a coleta biométrica pelo CASV de Alto de Pinheiros, te explico tudo. O lugar é fácil de encontrar, tem vários estacionamentos por perto, e é muito bem organizado. Você vai ficar em uma fila, até as atendentes do CASV autorizarem sua entrada. Você será certamente revistado (atenção: desligue o celular!!!), e então seguirá a tal da "faixa amarela" até o balcão de atendimento. Lá, uma atendente pegará seu passaporte, e fará alguns procedimentos simples. Depois, te encaminhará para coleta biométrica. Confesso, a minha não durou nem 2 minutos. Tiraram uma foto minha de rosto, com o cabelo preso para trás na cabine da coleta e coloquei meus dedos numa máquina muito "made in Terra do Tio Sam", pra colher minhas digitais. Simples.

O quarto e último passo é o pior. SIM! Acreditem em mim. É onde você se apresenta no Consulado para fazer a entrevista. Ao chegar, me enviaram para uma fila específica para o meu horário marcado. Logo após, entreguei meu passaporte ao atendente e tive de entrar em uma outra fila (imensa!), com destino à uma salinha onde só de 4 em 4 pessoas podem ser revistadas. Atenção! Não pode entrar no Consulado com celular ou qualquer tipo de aparelho eletrônico! Não é legal nem entrar de bolsa. Então, vale a pena pedir pra alguém ir com você para manter suas coisas seguras, ou a alternativa é alugar um lugarzinho no guarda-volumes que fica em uma lanchonete de frente para o lugar. No meu caso, deixei minha bolsa com meu pai, que ficou me esperando lá fora. Depois de te revistarem (ah, e nada de revista apalpando nada! É tudo eletrônico, gente! Gente phyna é outra coisa!), você será levado para um ambiente onde todos estão esperando para pegar seu passaporte novamente. Depois de te chamarem, você pega outra fila (...) para depois pegar OUTRA FILA para ser realmente encaminhado ao cônsul. Descoberta do dia: Americano adora filas! Enquanto você está na fila para conversar com o cônsul, é que começa realmente a dar nervoso. As mãos soam, dá arrepios, dor de cabeça, e medo de errar em alguma coisa, ou simplesmente, do cônsul não acreditar em você. A conversa foi mais ou menos assim:

Ela: Bom dia
Eu: Bom dia! Tudo bem?
Ela: Sim. Vai pra onde?
Eu: Florida. Em Miami e na Disney.
Ela: Disney? (imagino que ela deve ter pensado que eu tô grande demais pra ir pra Disney)
Eu: Sim, Orlando.
Ela: Entendi. Vai sozinha?
Eu: Sim.
Ela: Por que ninguém vai com você?
Eu: Porque ninguém tem condições de me acompanhar no momento.
~breve pausa~
Ela: Qual sua profissão?
Eu: No momento, sou estudante.
Ela: E você faz o que? 
Eu: Arquitetura.
Ela: Já concluiu quantos semestres?
Eu: "Hmm" (detalhe que eu ia falar NENHUM, mas só saiu o "hmmm". Bom, avaliando que a essa altura, já tava morrendo de medo da moça com sotaque adiar meu sonho, até que eu ainda tava bem!)
Ela: Um?
Eu: Não, nenhum. Eu falei errado, desculpe! Eu sou formada em Design de Interiores, e agora farei Arquitetura e Urbanismo. Começo em fevereiro.
Ela: ~desconfiada~ Mas você vai fazer aonde?
Eu: FMU.
Ela: Já fez a matrícula?
Eu: Sim. Quer ver o comprovante?
Ela: Não, obrigada.

Depois, fez algumas perguntas básicas sobre meus pais, seu eu ainda morava com eles, qual era minha intenção lá, essas coisas. Foi ai que o momento que eu mais esperava chegou: A escolha dela sobre se meu visto seria negado ou concedido. E aí, ela pegou um papel branco e até tremi. Eu me senti nas nuvens! Só ouvi um "Seu visto foi concedido. Boa viagem!"

Saí do Consulado tão feliz quanto o Sócrates quando fazia um gol. Agradecendo a Deus porque deu tudo certo. E apesar de eu ter me preparado com um milhão de documentos, ela não pediu nenhum. Isso vai de atendimento para atendimento. Não ache que o seu vai ser exatamente como o meu... Se prepare o máximo possível para isso! É muito aleatório.
E outra coisa: Não ache que ter o visto negado é só pra quem tem antecedentes criminais, ou qualquer outra coisa do gênero. Eles negam por você vacilar na fala, pela possibilidade de você estar querendo fugir pra terra do Obama ou por acharem que você está mentindo. Vi uma moça na minha frente, ter o visto negado por não trabalhar e nem estudar, apesar de ter ganho a viagem para os parques de Orlando do próprio pai e ainda ter contratado um despachante para agilizar o processo.

Mas depois do visto, só alegrias, e oficialmente, começar a organizar os preparativos da viagem! Logo mais compartilho isso com vocês!





CONVERSATION

Página Anterior Próxima Página Home
Mayara Dionisio Foto&Afeto
Back
to top